CINEMA – 'Filho de Bruce Willis' em novo "Duro de Matar" diz que não Achava a Franquia "nada de especial"


Jai Courtney tinha só dois anos quando o original “Duro de Matar” (1988) explodiu nos cinemas e elevou Bruce Willis ao estrelato no papel de destemido policial John McClane.
Vinte e quatro anos depois e veja só, lá está o australiano interpretando seu filho em “Um Bom Dia para Morrer”, o quinto filme da lucrativa franquia, que estreia no Brasil em 22 de fevereiro.
“Acho que ‘Duro de Matar – A Vingança’  (1995) foi o primeiro que me lembro de ter visto”, conta ele, “e não achei nada de especial a não ser pelo fato de ter uma ação boa. É claro que nem em sonho podia saber o que ia acontecer. Na época, era só alegria”.

“Óbvio que já sabia que era uma franquia de sucesso”, continua. “É ‘Duro de Matar’, cara. Você cresce assistindo a essas coisas. Eu não era fã de carteirinha, mas curtia. Só quando surgiu a possibilidade de fazer o filme é que tive que me familiarizar bem.”

Courtney é conhecido do público norte-americano graças a seus dois trabalhos anteriores: como Varro, na série “Spartacus” (2010) e, mais recentemente, como Charlie, enfrentando Tom Cruise em “Jack Reacher: O Último Tiro“.

No novo filme da série de ação, McClane vai a Moscou para buscar o filho, Jack, que foi preso ‒ e não demora para descobrir que o rapaz estava trabalhando disfarçado para proteger um delator. Naturalmente, uma vez que é um “Duro de Matar”, logo pai e filho têm que deixar suas diferenças de lado para enfrentar correrias, pulos, tiroteios e explosões.
Elenco e equipe técnica passaram cinco meses filmando na Hungria, com Budapeste fazendo as vezes da capital russa. Foi a primeira experiência de Courtney com um arrasa-quarteirão hollywoodiano e ele confessa que adorou o clima de empolgação, a novidade e, sim, o caos de rodar uma produção dessa escala, com helicópteros militares, perseguições de carro e explosões de prédios inteiros.
“A gente se divertiu muito, cara”, ele conta. “Foi uma trabalheira danada também, mas eu estava ali para encarar o desafio e lidando com gente muito legal. Caí de cabeça mesmo e tentei aproveitar, me divertir e também trabalhar o máximo possível, o tempo todo, e espero que tenha valido a pena.”
“Bom, acho que valeu, sim”, ele completa. “Vi o filme outro dia e fiquei bem satisfeito porque ele se encaixa direitinho no padrão da franquia: é divertido, é engraçado, cheio de ação e também tem um lado sentimental, que explora o relacionamento entre Jack e John, óbvio.”
Willis completa 58 anos em março e embora esteja em boa forma, não vai poder encarnar John McClane para sempre. Courtney está sendo preparado para perpetuar a série?
Para ganhar tempo, o ator conta que sempre ouve a mesma pergunta. E responde com cautela.
“Digo sempre a mesma coisa, ou seja: ‘Ah, claro, é uma coisa que me interessa'”, responde ele, “mas não consigo me imaginar fazendo um desses sem a presença do Bruce. Ele É a franquia. Quando chegar a hora, a gente vê o que faz”.